terça-feira, maio 01, 2007

O REINO DE DEUS V - UM REINO DE JUSTIÇA

UM REINO DE JUSTIÇA

“Portanto, não fiquem preocupados dizendo: O que vamos comer? O que vamos beber? O que vamos vestir? Os pagãos é que ficam procurando essas coisas. O Pai de vocês, que está no céu, sabe que vocês precisam de tudo isso. Pelo contrário, em primeiro lugar busquem o reino de Deus e a sua justiça, e Deus dará a vocês, em acréscimo, todas essas coisas."
Mateus 6.31-33.



Introdução

Viver custa caro. As despesas com aluguel, água, energia elétrica e tantas outras, precisam ser cobertas, pois são indispensáveis para uma vida digna. Jesus inovou a abordagem deste tema ao declarar que não devemos nos preocupara com o que iremos comer ou beber, pois disto Deus pode cuidar. A prioridade do cidadão do Reino deve ser a busca pela justiça. Mas o que é a justiça? Porque precisamos lutar por ela? A quem devemos demonstra-la? Responder adequadamente a estes questionamentos ajudará a igreja a ser bem sucedida no cumprimento de sua missão.


1) O Que é justiça?


A justiça não é apenas um conceito bonito para ser lido nos livros, ela precisa tornar-se prática no cotidiano. Isto acontece pela garantia da igualdade, onde o mais forte não se vale do seu poder para oprimir o fraco; pela preservação do direito que força o indivíduo a cumprir os seus deveres em relação ao outro. “A justiça é aquele mínimo de amor sem o qual a relação entre as pessoas deixa de ser humana e se transforma em violência”.1 Isto nos remete ao cuidado com a vida do necessitado que lhe garante a provisão necessária para o sustento com dignidade.

Para ser real a justiça depende do amor, que permite-nos olhar para o próximo como um ser humano e não como uma coisa. O amor torna nossa, a necessidade do outro e atiça no coração o clamor por justiça quando vemos seus direitos ignorados pelo poder público e pela sociedade.


2 – Porquê é necessário lutar pela justiça?


Porque esta é a vontade de Deus. Ela exige um culto com fé, mas abomina a solenidade hipócrita. A grande crítica dos profetas às autoridades religiosas de seu tempo era que havia um grande zelo em cumprir os rituais, mas nada se fazia para conter a escalada da injustiça que privilegiava os poderosos e deixava de lado aqueles que verdadeiramente precisavam de auxílio. “Lavem-se, purifiquem-se, tirem da minha vista o mal, aprendam a fazer o bem: busquem o direito, socorram o oprimido, façam justiça ao órfão, defendam a causa da viúva. Então venham e discutiremos – diz Javé. (...). Isaías 1.16-18.

A justiça é fundamental para o estabelecimento do Reino de Deus. Como pregar o evangelho sem importar-se com a miséria do faminto, do sem teto, ou sem confrontar-se com as estruturas corrompidas da sociedade? À igreja cabe assumir a sua voz profética, denunciar o pecado e utilizar todos os meios legais disponíveis para forçar os governantes e os legisladores a cumprir as suas obrigações. Agindo assim, ela exercerá a sua função de sal da terra, plantará a semente do evangelho no coração das pessoas e glorificará o nome de Deus.


3 – Onde está a injustiça?


Para qualquer lado que se olhe é possível contemplar injustiças: A violência policial que invade as comunidades e agride indiscriminadamente os seus moradores. A violência dos criminosos que matam à luz do dia com a certeza da impunidade. A exploração do trabalho que enriquece poucos à custa do desgaste de muitos, que adoecem porque no fim do mês, não têm condições de comprar o alimento para si e para suas famílias.

O panorama da educação brasileira agrava esta situação ao não oferecer oportunidades iguais para todos os segmentos da população. O resultado é a desqualificação da mão de obra, a redução dos salários e a exclusão daqueles que não conseguem adaptar-se às tecnologias atuais.


4 – Quem precisa de justiça?


O ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus. Esta essência o torna sagrado e qualquer injustiça cometida conta ele desrespeita a santidade divina. Jesus condenou veementemente a atitude dos fariseus que agiam com muito rigor na aplicação da lei de Moisés, mas deixavam até mesmo suas famílias desamparadas. As longas e belas orações proferidas em público não tinham valor, pois não eram acompanhadas de misericórdia.

A compaixão é um tema tão importante, que Jesus vinculou o cuidado com os necessitados à demonstração de amor a Deus. “(...) Eu garanto a vocês: todas as vezes que vocês fizerem isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram.”


5 – Buscar o Reino de Deus e a sua justiça: o caminho para as demais bênçãos.


Deus supre as nossas necessidades generosamente e nos convida a anunciar aos oprimidos que em Cristo há esperança de salvação para a alma e de uma sociedade mais justa. Para atender ao chamado divino devemos abandonar as preocupações egoístas e compreender que o mundo é maior que o nosso universo particular. O mal feito ao semelhante tem a ver conosco também, pois foi cometido contra uma criatura amada por Deus e que precisa ter a sua dignidade restaurada.

Justiça e Reino de deus São dois conceitos inseparáveis: “sem a pregação da justiça não há evangelho que seja de Jesus Cristo. Isso não é politizar a igreja: é ser fiel”.2 Se queremos paz, alegria descanso e prosperidade, precisamos lutar pala justiça tanto individualmente, na condição de cidadãos do Reino, quanto institucionalmente, via Igreja de Cristo. As demais coisas serão o resultado desta fidelidade básica ao desejo divino expresso na palavra


Conclusão

A igreja precisa cuidar-se, no exercício de seu ministério, para evitar as armadilhas no meio de caminho. A primeira é fechar-se em si mesma crendo que somente a sua declaração doutrinária tem a verdade absoluta e que aquele que pensa diferente deve ser eliminado de seu meio. A segunda é reduzir a sua missão apenas a um projeto político e perder de vista o mistério da fé, que é a base para o relacionamento com Deus.

Ao buscar um mundo mais justo, a igreja luta pelo estabelecimento do Reino de Deus em nosso tempo e reforça a esperança da redenção, que será o momento em que a Justiça se manifestará naturalmente como conseqüência de um mundo transformado pelo amor divino.


Notas

1. BOFF, Leonardo. Igreja Carisma e Poder – p. 66
2. BOFF, Leonardo. Igreja Carisma e Poder – p. 65



Referências Bibliográficas

BÍBLIA SAGRADA – Edição Pastoral – Tradução Ivo Storniolo, Euclides Martins Balancin – Paulus – SP – 1991.

BOFF, Leonardo, Igreja: carisma e poder, Ed. Record – Rio de Janeiro – RJ – 2005

Um comentário:

Pedro disse...

Romão,
legal! outro texto claro e direto sobre essa temática tão importante que é vista com tanta distância por uma série de pessoas...
Abs,
Pedro.